Devoção do Mês de Junho

Vigésimo dia

As almas dedicadas ao Sagrado Coração de Jesus gostam de meditar Sua Paixão

As ardentes chamas que por nós consumiam o Coração de Jesus, as inenarráveis dores que O mergulhavam em um oceano de amargura, a sede imensa da salvação das almas que lhes teria prestado fé, e todos os outros prodígios do amor de um Deus, quem os teria penetrado e acreditado, se este dulcíssimo Salvador não os houvesse manifestado visível e claramente?

Sofrer e morrer pelos amigos, eis a maior prova de amor. Majorem hac dilectionem nemo habet ut animam suam ponat quis pro amicis suis (Jo 15,13). O Coração de Jesus no-la dá. Engano-me: não é por seus amigos, mas sim pelos seus inimigos, por aqueles que Lhe dão a morte, que Ele Se sacrifica.

"Qual de nós teria amado", diz Santo Agostinho, "se não amasse os inimigos?" Amou-nos enquanto o éramos, para fazer-nos dignos do nome de Seus amigos. O divino Salvador deseja que jamais percamos a lembrança desta prova incompreensível de amor, dos sofrimentos, da morte que por nós padeceu.

Pode-se ser devoto de seu Coração e não se meditar com desvelo os meios, tão dignos de reconhecimento, que este suavíssimo Coração inventou no excesso de Seu amor, para testemuná-lo aos corações endurecidos dos homens?

É não somente no Jardim das Oliveiras, mas entre as mãos dos soldados, nas ruas de Jerusalém, perante Anás, Caifás, Herodes, na coluna, no pretório, no Calvário, que os corações devotos ao de Jesus, devem acompanhar este divino Salvador, unir-se às Suas dores, que só acabaram com Sua vida.

Quanto aos frutos e méritos de semelhante meditação, estão todos os Santos de acordo em exaltá-los.

Santo Agostinho diz que uma só lágrima derramada pela lembrança da Paixão de Jesus Cristo vale mais do que uma romaria a Jerusalém e um ano de jejum a pão e água.

Diz Santo Afonso de Ligório: "Por que motivo é tão pequeno o número dos que amam a Jesus? Porque é limitado o número daqueles que meditam as penas que por nós sofreu; quem a considerar com freqüência, não poderá viver sem amar a Jesus Cristo. Tão estimulado será pelo Seu amor, que não lhe será possível deixar de amar um Deus tão amoroso, e que tanto padeceu para ser amado".

Nosso Senhor disse à beata Verônica, da Ordem de S. Agostinho: «Eu desejara que todos os homens tributassem à Minha Paixão o culto de sincera dor e de viva compaixão dos Meus padecimentos. Ainda que uma só lágrima derramassem, podem ficar certos de que muito fariam, pois a língua humana é incapaz de exprimir o gozo que Me causaria esta única lágrima».

 

 


Os anjos revelaram a Joana da Cruz que a Majestade Divina a tal ponto Se compraz nas lágrimas derramadas pela Paixão de Jesus Cristo, e que esta dor é tão agradável a Seus olhos, que lhe dá apreço igual à efusão de nosso sangue, ou ao sofrimento de nossas maiores penas.

Prática

Seguindo o exemplo da Virgem Santíssima que, conforme a pia tradição, não passava um só dia sem visitar os lugares regados com o sangue de Seu divino Filho, farei de quando em quando o santo exercício da via sacra.

Oração jaculatória

Nunca me esquecerei dos sofrimentos de meu Deus; meu coração, deles conservará contínua lembrança. Memoria memor ero et tabescet in me anima mea.

3 vezes:
Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós.
Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

Devoção do mês de junho