Devoção do Mês de Junho

Vigésimo primeiro dia

Ingratidão dos homens para com o divino Coração de Jesus

"Se feridas não recebe o Coração de Jesus, estranhas indignidades tem sofrido desde que instituiu o Sacramento de Seu amor. Pode-se imaginar coisa mais indigna do que os ultrajes que o judeu, o herege, o ateu lhe fazem suportar há tantos séculos, e até ao fim do mundo?" (Nouet).

Contudo, ainda mais deplorável é o procedimento dos que têm o nome de cristãos, e que ainda conservam algumas práticas do Cristianismo. Jesus habita entre os homens, digna-se descer-lhes ao coração; chega a dizer estas admiráveis palavras: "São minhas delícias estar com os filhos dos homens. Deliciae meae esse cum filiis hominum (Prov 8,3).

Mas, Senhor, como Vos tratam esses ingratos? Dignais residir no meio deles que até vos recusam decente habitação. Ousam hospedar-vos sob teto de palha, ao passo que vivem em palácios. "Não vedes", dizia com amargura de coração o Santo Rei Davi ao profeta Natã, "que enquanto eu habito em casa de cedro, a arca do Senhor meu Deus ainda está debaixo da tenda!" (2 Reis 7,2). Oh Arca verdadeira do Novo Testamento, da qual a antiga não era mais que imperfeita figura! Oh Senhor! Oh Jesus! quem hoje se incomoda e se aflige no seio de sua opulência com a lembrança de vossa desnudez nas Igrejas? Se ao menos à míngua de esplendor nos templos materiais, achásseis em nossos corações acolhimento submisso e respeitoso! Mas não! Dia e noite estais no santuário, esperando e chamando os homens, e dias, noites, semanas se passam sem que os vejais aparecer; ou se vos fazem certas visitas, somente os costumes, as conveniências os conduzem.

O corpo está em vossa presença, mas o coração bem longe está! No Sacramento vos achais sempre ocupado com eles, sempre em estado de vítima diante de vosso Pai, oferecendo por eles vossas chagas; ao passo que em vossa presença pensam em tudo, menos em adorar-vos; conservam postura tão pouco respeitosa, que o próprio herege, que nega vossa presença real, os censura!

Na Comunhão da missa Jesus se lhes oferece: "Eis aqui o Cordeiro de Deus, eis Aquele que tira os pecados do mundo"; vinde todos a Ele. O próprio Jesus os convida com estas admiráveis palavras: "Comei, amigos, e bebei; embriagai-vos com a torrente de minhas delícias, caríssimos meus; vinde, comei meu pão, bebei meu vinho, que vos preparei". Todos, porém, fogem, como se não tivessem chagas a curar, nem máculas a apagar; respondem que têm outros convites a satisfazer e outros amigos a servir.

Céus! tomai-vos de espanto à vista de tal prodígio de ingratidão! Obstupecite coeli super hoc! (Jer 11,12).

Oh cristãos! Oh povo insensato e perverso! É este o reconhecimento que tribuais a vosso Senhor e a vosso Deus? Generatio prava et perversa, hoeccine reddis Domino popule stulte et insipiens? (Deut 32, 5-6).

 

 


Oh Jesus, tão terno, generoso, e cheio de amor para conosco, podíamos nós fazer chaga mais cruel em vosso coração? Ah! eu Vos ouço dizer: "Esperei que um daqueles a quem amo viesse compadecer-se da minha dor; mas não houve um só, ninguém se apresentou. Et sustinui qui simul contristaretur et non fuit, et qui consolaretur, et non inveni (Sl 68).

Prática

Não passeis um só dia sem vos recordar dos benefícios que recebestes de Deus: a criação, a conservação, o chamamento à verdadeira fé, a educação cristã, Sacramentos, graças particulares, etc.

Oração jaculatória

O que retribuirei ao Senhor por todos os bens de que me cumulou? Tomarei o Coração de Seu Divino Filho, e oferecerei; certo de que ficarei plenamente desobrigado. Quid retribuam Domino pro omnibus quoe retribuit mihi? (Sl 115,3)

3 vezes:
Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós.
Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

Devoção do mês de junho