Devoção do Mês de Junho

Vigésimo segundo dia

Queixa do Sagrado Coração de Jesus

Escutemos as queixas que se digna fazer-nos o Coração de Jesus, as quais são nova prova de Seu amor, pois Ele só se queixa porque ama; e nos ama unicamente para nossa felicidade, sem interesse algum da própria, que não diminui com a nossa salvação.

O que devo fazer por ti, oh! povo cristão, oh! Meu povo, que não tenha feito? Em que te contristei? Responde-Me. In quo contristavi te? Responde mihi. Distingui-te entre as nações que deixei sentadas nas trevas e à sombra da morte eterna, para fazer-te compartilhar o dom incomparável da verdadeira fé, e tu o deixaste sem fruto em tua alma indiferente. Eras uma bela vinha que plantei com Minhas Mãos e não produziste para Mim senão amargura, porquanto em Minha sede deste-Me vinagre para beber; e muita mais pela tua tibieza e ingratidão, que pelo ferro da lança, traspassaste o Coração de teu Salvador. Por ti derramei todo o Meu Sangue até a última gota; e que apreço lhe deste? Que proveito dele tiraste? Quae utilitas in sanguine meo? Chamei-te para Meu reino, e para a Minha herança; e tu Me deste cana por cetro, coroa de espinhos por diadema, pela inconstância de teu coração, pelo orgulho e fausto do teu proceder. Tomando tua natureza, elevei-te até a participação da Divindade; e tu Me suspendeste na Cruz pelas tuas culpas. Alimentei-te não com o maná que teus pais comeram, e que não os impediu de morrer, mas com o pão descido dos céus, que encerra em Si a vida eterna; e tu dilaceraste Meu Corpo Místico, chegando até a negar esse inefável benefício que faz a admiração dos Anjos. Oh, vós todos que passais pelo caminho da vida, considerai e vede se há dor igual à que sente Meu Coração por semelhante ingratidão! O vos omnes qui transitis per viam, attendite et videte si est dolor, sicut dolor meus.

O divino Salvador queixa-Se também à Sua fiel serva Margarida Maria, de modo não menos vivo, descobrindo-lhe Seu Coração: «Eis aqui o Coração que tanto amou aos homens, que nada poupou até exaurir-se e consumir-se para testemunhar-lhes seu amor. Entretanto, da maior parte deles não recebo senão ingratidões, pelas irreverências, sacrilégios, desprezo e tibieza que têm para Comigo no Sacramento de Meu Amor; e o que Me é ainda mais sensível, é serem corações que Me foram consagrados os que assim Me tratam».

Mostrando-lhe em outra ocasião Seu Coração dilacerado e traspassado de golpes: «Eis as feridas que recebi de Meu povo escolhido; os outros contentaram-se em ferir-Me o corpo; estes, porém, atacam Meu Coração, este Coração que nunca cessou de amá-los».

 

 


E não são as nossas essas almas ingratas? Não é de nós que Jesus Se queixa, nós alistados em Sua milícia pelo santo batismo, alimentados tantas vezes com Sua carne sacrossanta; nós talvez consagrados a Seu Coração em alguma confraria encarregada de reparar tantos ultrajes, e nós, todavia, tão frios, tão indiferentes para com este Divino Coração?

Ah! com razão de sobra nos diz Jesus pelo Rei Profeta: "Se fosse um inimigo que assim me tratasse, eu o teria suportado; mas ser desprezado, desamparado de meus amigos, de meus filhos, daqueles que eu amo! Si inimicus maledixisset mihi, sustinuissem utique" (Sl 54,23).

Prática

É na oração que aprendereis até que ponto chegou o excesso do amor de Jesus para convosco, e com que ingratidão lhe correspondestes. Este conhecimento produzirá o arrependimento e o amor, e vos decidirá a empreenderdes tudo por Jesus. Não passeis nunca um dia sem fazer quinze minutos de oração.

Oração jaculatória

Ó Coração de Jesus, mostrai ao mundo este prodígio, que um coração tão ingrato como o meu se abrase todo em Vosso amor.

3 vezes:
Divino Coração de Jesus, tende piedade de nós.
Coração Imaculado de Maria, rogai por nós.

Devoção do mês de junho