Devoção do Mês de Maio

Vigésimo Quarto Dia

Oração Preparatória

Abri, Senhor, os nossos lábios, para que dignamente louvemos o Vosso Santo Nome, na veneração da Santíssima Virgem Maria. Purificai nossos corações de todos os pensamentos perversos, vãos e inúteis. Iluminai o nosso entendimento, inflamai a nossa vontade, para que possamos fazer a nossa oração com verdadeira humildade, firme confiança e fervorosa devoção e mereçamos ser atendidos e bem despachados perante o Augusto Trono da Vossa Divina Majestade. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. 
Amém.

Oração de Oferecimento

Virgem Santíssima, gloriosa Mãe de Deus, ó Maria! Eis-nos diante de Vós novamente reunidos para manifestar-Vos a nossa veneração e o nosso amor. Alegramo-nos pela alta dignidade e glória a Vós concedida pelo Deus todo-poderoso. Louvamos e bendizemos ao Senhor, por nos ter dado a Vós por Mãe, por ter adornado do mais perfeito amor o Vosso Puríssimo e Sagrado Coração.  

Consagramos a Vós, Virgem Santíssima, todos os dias deste mês e especialmente o dia de hoje. Hoje e sempre Vos escolhemos por nossa protetora e intercessora junto a Jesus, Vosso Filho. A Vós consagramos nosso coração, nosso corpo e nossa alma. Em Vossas mãos entregamos todas as nossas esperanças e consolações, todas as nossas aflições e tribulações. A Vós recomendamos a nossa vida inteira e em particular os últimos instantes dela. Mostrai ser nossa Mãe! Ao Vosso patrocínio recomendamos a Santa Igreja Católica, especialmente o Papa Francisco, todos os bispos, o clero secular e regular, e as benditas almas do purgatório.  

Compraza-se o Vosso carinhoso Coração nos nossos cânticos e piedosas orações. Juntamo-las neste mês às orações de todos os fiéis e aos louvores que os Anjos no Céu oferecem a Vós, sua amabilíssima Rainha. Alcançai-nos a graça, a maior de todas, de sermos fiéis a Vós e a Vosso Filho até a morte, para que possamos louvar e amar convosco no Céu a Jesus, Vosso Filho e a Santíssima Trindade, por todos os séculos dos séculos.  
Amém.

 
 


Vigésimo quarto dia

A morte da Santíssima VIrgem

1. Maria Santíssima tinha o ardente desejo de estar com seu divino Filho. A morte para ela não tinha nada de horrível, era para ela a hora da reunião com seu divino Filho, hora de imensa alegria. Quando sentiu desfalecer o seu corpo e percebeu a aproximação da morte, não ficou triste. Não lhe custava deixar este mundo, que nunca tinha amado e ao qual nenhum laço a prendia. Depois da ascensão de Nosso Senhor ao céu, a terra para ela tinha sido um verdadeiro desterro. 
Oxalá que tivéssemos uma disposição igual e pudéssemos esperar a morte com semelhante serenidade. 

2. A morte de Maria é comparada pelos santos padres a um doce sono, para significar que nada teve de violento nem de doloroso, e que ela passou desta vida mortal à outra vida como se passa a um tranqüilo repouso. Com efeito, a morte da Santíssima Virgem foi mais o efeito das imensas saudades e do amor, do que de doença corporal. Toda abrasada neste fogo sagrado, sem temor e na mais profunda paz, desprendeu-se a alma pura daquele corpo para unir-se com o seu adorado Filho por toda a eternidade. 

3. A Santíssima Virgem é constituída por seu Filho protetora e modelo dos moribundos. Maria sabe ser o momento da morte, para nós, um momento perigosíssimo, do qual depende a nossa sorte eterna. O demônio neste último transe tenta tudo e redobra os seus esforços para perder-nos eternamente. Por isso, o bom cristão recomenda-se sem cessar à poderosa proteção de Nossa Senhora. "Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós agora e na hora da nossa morte". Maria conhece o valor da nossa alma, remida pelo sangue de seu Filho, e nos defenderá e protegerá naquela terrível hora. 

Rezemos 3 Ave-Marias para pedir a proteção de Nossa Senhora na hora da nossa morte.

Orações finais