Ajude os sites LeiaMe!
Clique no botão para gerar um boleto com sua contribuição:

Terceira semana da Quaresma
Sexta-feira: consagrada ao Coração de Jesus
dia de meditações sobre a Paixão de Jesus

“É do Sagrado Coração de Jesus que emana, a cada ano, toda a vida da Igreja” (João Paulo II)

      Em 22 de fevereiro de 1931, Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo apareceu à jovem religiosa Irmã Faustina (Helen Kowalska) em Cracóvia, Polônia. Ela vinha de uma família muito pobre que havia trabalhado arduamente em sua pequena fazenda durante os terríveis anos da I Guerra Mundial. Irmã Faustina teve apenas três anos de educação muito simples. Suas tarefas eram as mais humildes do convento. A essa humilde freira, Jesus trouxe uma maravilhosa mensagem de Misericórdia para toda a humanidade. Santa Faustina nos conta em seu diário:

“À noite, quando eu estava em minha cela, percebi a presença do Senhor Jesus vestido de uma túnica branca. Uma mão estava levantada a fim de abençoar, a outra pousava na altura do peito. Da abertura da túnica no peito saíam dois grandes raios, um vermelho e outro pálido. Em silêncio eu olhei intensamente para o Senhor; minha alma estava tomada pelo espanto, mas também por grande alegria. Depois de um tempo, Jesus me disse,

“Pinta uma imagem de acordo com o que vês, com a inscrição, ‘Jesus, eu confio em Vós.’
Prometo que a alma que venerar esta Imagem não perecerá.”

      Algum tempo depois, Nosso Senhor lhe explicou o significado dos dois raios em destaque na Imagem:

“Os dois raios representam o Sangue e a Água. O raio pálido representa a Água, que justifica as almas; o raio vermelho representa o Sangue, que é a vida das almas. Ambos os raios saíram das entranhas de minha Misericórdia quando, na Cruz, o Meu Coração agonizante foi aberto pela lança...
Estes raios defendem as almas da ira do meu Pai. Feliz aquele que viver sob a proteção deles, porque não será atingido pelo braço da Justiça de Deus.”



A Hora da Misericórdia

     Em 1933, Deus ofereceu a Santa Faustina uma impressionante visão de Sua Misericórdia. Ela nos conta:

“Vi uma grande luz, e nela Deus Pai. Entre esta luz e a Terra vi Jesus pregado na Cruz de tal maneira que Deus, querendo olhar para a Terra, tinha que olhar através das chagas de Jesus. E compreendi que somente por causa de Jesus Deus está abençoando a Terra.”

     Jesus lhe disse:

“Às três horas da tarde implora à Minha Misericórdia, especialmente pelos pecadores, e, ao menos por um breve tempo, reflete sobre a Minha Paixão, especialmente sobre o abandono em que Me encontrei no momento da agonia. Esta é a hora de grande Misericórdia para o mundo inteiro. Permitirei que penetres na Minha tristeza mortal. Nessa hora nada negarei à alma que Me pedir em nome da Minha Paixão.” (Diário nº. 1320)

     Uma invocação que se pode dizer às três horas da tarde é:

“Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus como fonte de Misericórdia para nós, eu confio em Vós.” (Diário n°. 187)

 

      Prática sugerida: Aprender o Terço da Misericórdia.

 

Oração diante do Santíssimo Sacramento

SENHOR e meu DEUS!
Aqui na cruz, ao lado do Tabernáculo, sois meu aconchego e meu refúgio!
Encerrai-me em Vossos braços divinos, pois então encontro repouso de tudo o que dispersa no cotidiano!
Encerrai-me em Vossos Olhos Divinos, para que nada me tire a atenção de Vós,
Vós meu Senhor e DEUS!
Encerrai-me em Vossa Boca Divina, ainda amarga pelo fel do verdugo perverso, a fim de que todo o louvor e honra do mundo se torne amargo para mim, e eu aprenda a calar até que Vós me abrais a boca, para trabalhar por Vós, para lutar por Vós e para Vos exaltar por toda a Eternidade!
Encerrai-me em Vossas Chagas Divinas para que esteja a salvo de todas as ciladas do maligno, lá ele não me encontra!
Encerrai-me, enfim, ó Senhor, para sempre, no Vosso Divino Coração! Foi de lá que me chamastes, para lá fazer-me voltar, para nunca mais Vos deixar!
Encerrai-me, Senhor, dentro da Vossa Carne e do Vosso Sangue. Aí, estou protegida da minha própria fraqueza e, para sempre serei somente Vossa propriedade! Amém.

Gabriele Bitterlich,
Obra dos Santos Anjos


 

Devoções