Meditações da Quaresma

Domingo de Páscoa

Páscoa do Senhor!

Devemos ressuscitar com o Redentor, passando de uma vida fria e inerte a uma vida mais santa e fervorosa, oferecendo-nos inteiramente e com generosidade a Deus.
(Encíclica Mediator Dei)

Por que procurais entre os mortos aquele que vive?

A ressurreição de Jesus é o seu mais estupendo milagre, o fato mais glorioso de sua existência humana, a prova mais luminosa de sua di-vindade. É a base ou pedra angular de nossa Fé. A Ressurreição teve seu coroamento na Ascensão e alcançará seu triunfo completo no Juízo Universal.

É a Ressurreição a exaltação de Jesus humilhado e desprezado pelos seus inimigos. Enfim, a Ressurreição de Jesus é a garantia e o penhor da ressurreição final de todos os justos.

Batizados que somos, devemos morrer para o pecado e viver para Deus. É o que realizamos com o desapego total não só do pecado grave, mas também do pecado venial, procurando além disso desapegar-nos sempre mais de todo o afeto puramente humano e mundano, a fim de orientarmos os nossos pensamentos, desejos, afetos e ações para a finalidade última de nossa existência, que é a posse de Deus no céu.

Os meios para enraizarmos sempre mais em nós a graça pascal são: a meditação do mistério da Ressurreição e das várias manifestações de Jesus; particularmente, a Comunhão fervorosa e freqüente, e a luta perseverante contra o pecado.

Devemos assim fomentar em nosso íntimo sentimentos da mais santa alegria e da mais viva gratidão para com o divino Triunfador.

Missal Romano

Novena à Divina Misericórdia - 3º dia
Novena à Divina Misericórdia