Meditações da Quaresma

Sábado Santo

Sábado Santo: Vigília Pascal

Neste sábado nos unimos a Nossa Senhora em sua Soledade (o tempo em que ficou sem Jesus), e à noite a grande celebração da Vigília Pascal.

Coroa das Lágrimas de Saudades da Rainha dos Mártires

Tem esta devoção por fim honrar as torturantes saudades que Maria Santíssima sofreu de seu Divino Filiho durante os 3 dias ou 36 horas que a Sacrossanta humanidade do nosso Salvador esteve encerrada no sepulcro.

Compõe-se a Coroa de 3 Pai-Nossos e 36 Lembrai-vos (Oração de S. Bernardo)

Lembrai-Vos, ó puríssima Virgem Maria, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que têm recorrido à Vossa proteção, implorado a vossa assistência e reclamado o vosso socorro, fosse por vós desamparado. Animado eu, pois, com igual confiança, a Vós, Virgem entre todas singular, como a Mãe recorro, de Vós me valho e gemendo sob o peso de meus pecados me prostro a vossos pés. Não desprezeis as minhas súplicas, ó Mãe do Filho de Deus humanado, mas dignai-Vos de as ouvir propícia e de me alcançar o que vos rogo. Amém.

1ª. parte - 1 Pai Nosso e 12 Lembrai-Vos

2ª. parte - 1 Pai Nosso e 12 Lembrai-Vos

3ª. parte - 1 Pai Nosso e 12 Lembrai-Vos

4ª. parte - 3 Ave-Marias e a Súplica Final:

Lembrai-Vos, ó Rainha dos Mártires, das saudades cruciantes que atormentam o Vosso Imaculado Coração durante as 36 horas de sepultura do Vosso Divino Filho. Pelas dores acerbíssimas da vossa soledade, Oh!, acendei-nos na alma o desejo de ver a Deus no Céu, e alcançai-nos, um dia, a eterna Bem-aventurança. Enquanto, porém, neste desterro peregrinamos, obetndo-nos as graças que nos são necessárias para amarmos e servimos a Jesus com fidelidade até a morte: e, se for da sua vontade adorável, impetrai-me a mercê que Vos imploro com inteira confiança.

Novena à Divina Misericórdia - 2º dia
Novena à Divina Misericórdia

Precônio Pascal

Vigília Pascal

Exultet

Exulte o céu e os anjos triunfantes
Mensageiros de Deus desçam cantando
Façam soar trombetas fulgurantes
A vitória de um Rei anunciando

Alegre-se também a terra amiga
Que em meio a tantas luzes resplandece
E vendo dissipar-se a treva antiga
Ao sol do eterno Rei brilha e se aquece

Que a Mãe Igreja alegre-se igualmente
Erguendo as velas deste fogo novo
E escute, reboando de repente
O aleluia cantado pelo povo

O Senhor esteja convosco
Ele está no meio de nós
Corações ao alto
O nosso coração está em Deus
Demos graças ao Senhor nosso Deus
É nosso dever e nossa salvação

Sim, verdadeiramente é bom e justo
Cantar ao Pai de todo o coração
E celebrar seu filho Jesus Cristo
Tornado para nós o novo Adão

Foi ele quem pagou do outro a culpa
Quando por nós à morte se entregou
Para pagar o antigo documento
Na cruz todo o seu sangue derramou

Pois eis agora a Páscoa, nossa festa
Em que o real Cordeiro se imolou
Marcando nossas portas, nossas almas
Com seu divino sangue nos salvou

Esta é, Senhor, a noite em que do Egito
Retirastes os filhos de Israel
Transpondo o mar Vermelho a pé enxuto
Rumo à terra onde correm leite e mel

Ó noite em que a coluna luminosa
As trevas do pecado dissipou
E aos que crêem no Cristo em toda a terra
Em novo povo eleito congregou!

Ó noite em que Jesus rompeu o inferno
Ao ressurgir da morte vencedor
De que nos valeria ter nascido
Se não nos resgatasse em seu amor

Ó Deus, quão estupenda caridade
Vemos no vosso gesto fulgurar
Não hesitais em dar o próprio Filho
Para a culpa dos servos resgatar

Ó pecado de Adão indispensável
Pois o Cristo o dissolve em seu amor
Ó culpa tão feliz, que há merecido
A graça de um tão grande redentor!

Só tu, noite feliz, soubeste a hora
Em que o Cristo da morte ressurgia;
E é por isso que de Ti foi escrito:
A noite será luz para o meu dia.

Pois esta noite lava todo o crime
Liberta o pecador dos seus grilhões
Dissipa o ódio e dobra os poderosos
Enche de luz e paz os corações

Ó noite de alegria verdadeira
Que prostra o Faraó e ergue os Hebreus
Que une de novo ao céu a terra inteira
Pondo na treva humana a luz de Deus

Na graça desta noite o vosso povo
Acende um sacrifício de louvor
Acolhei, ó Pai Santo, o fogo novo
Não perde, ao dividir-se, o seu fulgor

Cera virgem de abelha generosa
Ao Cristo ressurgido trouxe a luz
Eis de novo a coluna luminosa
Que o vosso povo para o céu conduz

O círio que acendeu as nossas velas
Possa esta noite toda fulgurar
Misture sua luz à das estrelas
Cintile quando o dia despontar

Que ele possa agradar-vos como o Filho
Que triunfou da morte e vence o mal
Deus, que a todos acende no seu brilho
E um dia voltará, Sol triunfal