Devoção do Mês de Maio

Décimo Quinto Dia

Oração Preparatória

Abri, Senhor, os nossos lábios, para que dignamente louvemos o Vosso Santo Nome, na veneração da Santíssima Virgem Maria. Purificai nossos corações de todos os pensamentos perversos, vãos e inúteis. Iluminai o nosso entendimento, inflamai a nossa vontade, para que possamos fazer a nossa oração com verdadeira humildade, firme confiança e fervorosa devoção e mereçamos ser atendidos e bem despachados perante o Augusto Trono da Vossa Divina Majestade. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. 
Amém.

Oração de Oferecimento

Virgem Santíssima, gloriosa Mãe de Deus, ó Maria! Eis-nos diante de Vós novamente reunidos para manifestar-Vos a nossa veneração e o nosso amor. Alegramo-nos pela alta dignidade e glória a Vós concedida pelo Deus todo-poderoso. Louvamos e bendizemos ao Senhor, por nos ter dado a Vós por Mãe, por ter adornado do mais perfeito amor o Vosso Puríssimo e Sagrado Coração.  

Consagramos a Vós, Virgem Santíssima, todos os dias deste mês e especialmente o dia de hoje. Hoje e sempre Vos escolhemos por nossa protetora e intercessora junto a Jesus, Vosso Filho. A Vós consagramos nosso coração, nosso corpo e nossa alma. Em Vossas mãos entregamos todas as nossas esperanças e consolações, todas as nossas aflições e tribulações. A Vós recomendamos a nossa vida inteira e em particular os últimos instantes dela. Mostrai ser nossa Mãe! Ao Vosso patrocínio recomendamos a Santa Igreja Católica, especialmente o Papa Francisco, todos os bispos, o clero secular e regular, e as benditas almas do purgatório.  

Compraza-se o Vosso carinhoso Coração nos nossos cânticos e piedosas orações. Juntamo-las neste mês às orações de todos os fiéis e aos louvores que os Anjos no Céu oferecem a Vós, sua amabilíssima Rainha. Alcançai-nos a graça, a maior de todas, de sermos fiéis a Vós e a Vosso Filho até a morte, para que possamos louvar e amar convosco no Céu a Jesus, Vosso Filho e a Santíssima Trindade, por todos os séculos dos séculos.  
Amém.

 
 


Décimo quinto dia

A purificação de Nossa Senhora

1. Considera a obediência de Maria. A lei mosaica mandava que a mulher que tinha dado à luz fosse tida por imunda por sete dias e que não entrasse no templo senão depois de passados mais trinta e três dias. No dia quadragésimo, a mãe devia apresentar o filho no templo e, se era primogênito, devia ser remido pelos pais ou dedicado ao serviço do templo, se pertencia à tribo de Levi. Maria não estava sujeita a esta lei; não precisava purificar-se, nem estava obrigada a apresentar seu filho, que era Filho de Deus e o Salvador do mundo. Entretanto, cumpre tudo, como se fosse qualquer outra mulher. 

2. Considera a humildade de Maria. Os santos Reis deixaram ricos presentes nas mãos de Maria, mas ela logo distribuiu tudo aos pobres. 
Por isto, no templo ofereceu um casal de pombas, a oferta dos pobres. Assim, Maria confunde-se com as mulheres pobres, ocultas as duas prerrogativas de Virgem e Mãe de Deus; evita tudo que lhe podia granjear o respeito e a veneração do mundo. Quer ser desconhecida e desprezada, por isso de boa vontade se sujeita a todas estas humilhações. 
Como esta humildade da Santíssima Virgem confunde o nosso orgulho! 

3. Considera a caridade de Maria. O profeta Simeão, tomando o menino Jesus nos seus braços, iluminado por uma luz celeste, predisse-lhe os grandes sofrimentos. "A tua alma traspassará a espada da dor." Maria conhece perfeitamente o destino de seu Filho, sabe que ele será sacrificado pela salvação do mundo, mas por amor dos homens e para a salvação deles, oferece o seu querido filho ao Eterno Pai. Desde já, aceita todas as mágoas, todos os sofrimentos que a cruel Paixão de seu Filho lhe causará. Não pensa em si, pensa nas almas que precisam da redenção, e prontamente se sujeita aos santos desígnios de Deus. 

Rezemos 3 Ave-Marias para obter a graça da resignação na santa vontade de Deus em todas as circunstâncias da nossa vida.

Orações finais