Devoção do Mês de Maio

Sétimo Dia

Oração Preparatória

Abri, Senhor, os nossos lábios, para que dignamente louvemos o Vosso Santo Nome, na veneração da Santíssima Virgem Maria. Purificai nossos corações de todos os pensamentos perversos, vãos e inúteis. Iluminai o nosso entendimento, inflamai a nossa vontade, para que possamos fazer a nossa oração com verdadeira humildade, firme confiança e fervorosa devoção e mereçamos ser atendidos e bem despachados perante o Augusto Trono da Vossa Divina Majestade. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. 
Amém.

Oração de Oferecimento

Virgem Santíssima, gloriosa Mãe de Deus, ó Maria! Eis-nos diante de Vós novamente reunidos para manifestar-Vos a nossa veneração e o nosso amor. Alegramo-nos pela alta dignidade e glória a Vós concedida pelo Deus todo-poderoso. Louvamos e bendizemos ao Senhor, por nos ter dado a Vós por Mãe, por ter adornado do mais perfeito amor o Vosso Puríssimo e Sagrado Coração.  

Consagramos a Vós, Virgem Santíssima, todos os dias deste mês e especialmente o dia de hoje. Hoje e sempre Vos escolhemos por nossa protetora e intercessora junto a Jesus, Vosso Filho. A Vós consagramos nosso coração, nosso corpo e nossa alma. Em Vossas mãos entregamos todas as nossas esperanças e consolações, todas as nossas aflições e tribulações. A Vós recomendamos a nossa vida inteira e em particular os últimos instantes dela. Mostrai ser nossa Mãe! Ao Vosso patrocínio recomendamos a Santa Igreja Católica, especialmente o Papa Francisco, todos os bispos, o clero secular e regular, e as benditas almas do purgatório.  

Compraza-se o Vosso carinhoso Coração nos nossos cânticos e piedosas orações. Juntamo-las neste mês às orações de todos os fiéis e aos louvores que os Anjos no Céu oferecem a Vós, sua amabilíssima Rainha. Alcançai-nos a graça, a maior de todas, de sermos fiéis a Vós e a Vosso Filho até a morte, para que possamos louvar e amar convosco no Céu a Jesus, Vosso Filho e a Santíssima Trindade, por todos os séculos dos séculos.  
Amém.

 

 


Sétimo dia

A vida daSantíssima Virgem no templo

1. Consideremos a vida santa de Maria no templo. 
Terminada a cerimônia de apresentação, retiraram-se os santos esposos Joaquim e Ana para a sua casa. Foi um sacrifício enorme que os santos pais acabavam de fazer, separando-se da sua filha tão querida, deste anjinho idolatrado. A santa menina recolheu-se depois do último adeus, ao claustro, junto ao templo, onde as donzelas consagradas ao serviço de Deus e do templo se educavam. Daquela hora em diante considerava-se consagrada inteiramente ao serviço de Deus. Não procurava outra coisa senão tornar-se cada vez mais agradável aos seus olhos pela prática de todas as virtudes. Causava admiração às suas companheiras por sua inteligência, sua doçura, sua humildade e servia a todas de modelo. 
Peçamos à Santa Virgem que nos ajude a cumprir com as promessas do batismo, pois do cumprimento delas depende a nossa eterna salvação. 

2. Contemplemos a obediência de Maria no templo. 
Maria teve no templo superiores a quem obedecer, regulamentos a observar e deveres a cumprir. Com a maior boa vontade submetia-se a todas as ordens. São Boaventura diz que Maria no templo cumpriu escrupulosamente quanto lhe era ordenado pelo sumo pontífice, sob cuja direção estava. Que espetáculo tão edificante, ver a futura Rainha do céu ocupada com os mais humildes cuidades domésticos, vê-la obediente a qualquer aceno, sempre alegre, sempre pronta! Nunca se queixou, nunca murmurou contra ordem alguma. Era obediente por amor de Deus como a mais humilde escrava. 

3. Contemplemos Maria nos seus trabalhos. Nunca se deixou vencer pela moleza e preguiça. Apenas rompia a aurora, levantava-se de seu leito, vestia-se e rezava com muito fervor suas orações da manhã. Depois começava a trabalhar com as mais puras e santas intenções. Seu espírito durante o trabalho ficava unido com Deus. Tudo o que fazia era por amor de Deus e para agradar-Lhe, não para ser louvada e elogiada pelos homens. Desta maneira, todo o trabalho dela convertia-se em uma fervorosa oração de louvor. Assim adquiria a cada instante novos tesouros de merecimentos diante de Deus, e fez maravilhosos progressos em todas as virtudes. 
Sem a boa intenção, pela qual oferecemos a Deus todos os nossos trabalhos e sofrimentos, eles não valem nada para a eternidade. Entretanto, seria tão fácil fazer todos os dias este ato de oferecimento. Pois que custa dizer de manhã: "Ó meu Deus, eu Vos ofereço neste dia todos os meus pensamentos, todas as minhas palavras e obras, todos os prazeres e sofrimentos. Seja tudo por amor de Vós." Acostumemo-nos a não deixar passar um só dia sem fazer a boa intenção. 

Rezemos 3 Ave-Marias para obter a graça de fazer e sofrer tudo por amor de Deus.

Orações finais