Devoção do Mês de Maio

Oitavo Dia

Oração Preparatória

Abri, Senhor, os nossos lábios, para que dignamente louvemos o Vosso Santo Nome, na veneração da Santíssima Virgem Maria. Purificai nossos corações de todos os pensamentos perversos, vãos e inúteis. Iluminai o nosso entendimento, inflamai a nossa vontade, para que possamos fazer a nossa oração com verdadeira humildade, firme confiança e fervorosa devoção e mereçamos ser atendidos e bem despachados perante o Augusto Trono da Vossa Divina Majestade. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. 
Amém.

Oração de Oferecimento

Virgem Santíssima, gloriosa Mãe de Deus, ó Maria! Eis-nos diante de Vós novamente reunidos para manifestar-Vos a nossa veneração e o nosso amor. Alegramo-nos pela alta dignidade e glória a Vós concedida pelo Deus todo-poderoso. Louvamos e bendizemos ao Senhor, por nos ter dado a Vós por Mãe, por ter adornado do mais perfeito amor o Vosso Puríssimo e Sagrado Coração.  

Consagramos a Vós, Virgem Santíssima, todos os dias deste mês e especialmente o dia de hoje. Hoje e sempre Vos escolhemos por nossa protetora e intercessora junto a Jesus, Vosso Filho. A Vós consagramos nosso coração, nosso corpo e nossa alma. Em Vossas mãos entregamos todas as nossas esperanças e consolações, todas as nossas aflições e tribulações. A Vós recomendamos a nossa vida inteira e em particular os últimos instantes dela. Mostrai ser nossa Mãe! Ao Vosso patrocínio recomendamos a Santa Igreja Católica, especialmente o Papa Francisco, todos os bispos, o clero secular e regular, e as benditas almas do purgatório.  

Compraza-se o Vosso carinhoso Coração nos nossos cânticos e piedosas orações. Juntamo-las neste mês às orações de todos os fiéis e aos louvores que os Anjos no Céu oferecem a Vós, sua amabilíssima Rainha. Alcançai-nos a graça, a maior de todas, de sermos fiéis a Vós e a Vosso Filho até a morte, para que possamos louvar e amar convosco no Céu a Jesus, Vosso Filho e a Santíssima Trindade, por todos os séculos dos séculos.  
Amém.

 

 


Oitavo dia

Desponsórios da Santíssima Virgem com o bem-aventurado São José

1. Admiremos os segredos da divina providência. 
Apenas completou Maria a idade de quatroze anos, cuidaram seus parentes e os magistrados do templo em procurar esposo digno de tomar posse de um tesouro, que em valor excedia tudo o que se pode imaginar. Quando intimaram a Santíssima Virgem dessa intenção, declarou ela não ser sua vontade casar. Tinha feito voto de perpétua castidade e não queria laço algum que a prendesse ao mundo. Conta-nos a lenda que, depois de muitas orações, por meio de uma revelação chegaram ao conhecimento de ser vontade de Deus que casasse e que se escolhesse por marido aquele varão cuja vara depositada no templo brotasse e florescesse. Foram convidados os varões da tribo de Judá a depositar suas varas no templo, para ver quem era destinado por Deus a ser esposo da Santíssima Virgem. Fizeram-no assim, e a vara de São José, no outro dia, foi encontrada verde e florescente. 
Assim José desposou-se com a Santíssima Virgem. Deus lhe revelou que sua esposa era Mãe de Deus e que ele era escolhido para ser o guarda da pureza da Virgem e seu protetor. 

2. Consideremos os motivos por que Deus queria que a Mãe do Salvador, apesar de ser e ficar virgem, tomasse estado de matrimônio. Dizem os Santos Padres que Deus determinou isto para que o povo não chegasse a pensar mal da Santíssima Virgem, vendo ser ela mãe sem conhecer o mistério desta maternidade divina. 
Deus também não queria, como diz o santo mártir Inácio, que o demônio chegasse a saber que o menino Jesus era Filho de Deus e o Messias prometido e que julgasse ser filho de José e de sua esposa Maria Santíssima. Outra razão era que Jesus, que havia de nascer e criar-se como outras crianças, tivesse quem o sustentasse pelo trabalho de suas mãos, pois Maria era pobre e precisava de um arrimo. 

3. Admiremos a santidade dos esposos. No antigo testamento não era ainda conhecida por virtude a virgindade. Enquanto o povo esperava a vinda do Salvador, considerava-se grande felicidade ter família numerosa. Daí se explica a insistência com que os parentes e sacerdotes exigiram da Santíssima Virgem que se desposasse. Conhecendo, porém, a Santa donzela a superioridade da virgindade, fez o propósito de ficar virgem, a fim de pertencer inteira e unicamente a Deus. Casto e puro também foi São José, e assim guardaram estes dois esposos a virgindade entre si. Pela primeira vez viu a terra o que lhe era incompreensível, a observância da virgindade entre cônjuges. 

Rezemos 3 Ave-Marias para obter a graça de guardar a castidade do nosso estado.

Orações finais