Devoção do Mês de Maio

Décimo Nono Dia

Oração Preparatória

Abri, Senhor, os nossos lábios, para que dignamente louvemos o Vosso Santo Nome, na veneração da Santíssima Virgem Maria. Purificai nossos corações de todos os pensamentos perversos, vãos e inúteis. Iluminai o nosso entendimento, inflamai a nossa vontade, para que possamos fazer a nossa oração com verdadeira humildade, firme confiança e fervorosa devoção e mereçamos ser atendidos e bem despachados perante o Augusto Trono da Vossa Divina Majestade. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. 
Amém.

Oração de Oferecimento

Virgem Santíssima, gloriosa Mãe de Deus, ó Maria! Eis-nos diante de Vós novamente reunidos para manifestar-Vos a nossa veneração e o nosso amor. Alegramo-nos pela alta dignidade e glória a Vós concedida pelo Deus todo-poderoso. Louvamos e bendizemos ao Senhor, por nos ter dado a Vós por Mãe, por ter adornado do mais perfeito amor o Vosso Puríssimo e Sagrado Coração.  

Consagramos a Vós, Virgem Santíssima, todos os dias deste mês e especialmente o dia de hoje. Hoje e sempre Vos escolhemos por nossa protetora e intercessora junto a Jesus, Vosso Filho. A Vós consagramos nosso coração, nosso corpo e nossa alma. Em Vossas mãos entregamos todas as nossas esperanças e consolações, todas as nossas aflições e tribulações. A Vós recomendamos a nossa vida inteira e em particular os últimos instantes dela. Mostrai ser nossa Mãe! Ao Vosso patrocínio recomendamos a Santa Igreja Católica, especialmente o Papa Francisco, todos os bispos, o clero secular e regular, e as benditas almas do purgatório.  

Compraza-se o Vosso carinhoso Coração nos nossos cânticos e piedosas orações. Juntamo-las neste mês às orações de todos os fiéis e aos louvores que os Anjos no Céu oferecem a Vós, sua amabilíssima Rainha. Alcançai-nos a graça, a maior de todas, de sermos fiéis a Vós e a Vosso Filho até a morte, para que possamos louvar e amar convosco no Céu a Jesus, Vosso Filho e a Santíssima Trindade, por todos os séculos dos séculos.  
Amém.

 
 


Décimo nono dia

Três motivos de aflição para a Mãe de Deus

1. O primeiro motivo de aflição para Maria foi a futura paixão de seu Filho. Contemplando seu adorável Filho, lembrava-se de que um dia seria cruelmente açoitado, coroado de espinhos, pregado na cruz com grossos pregos, traspassado por uma lança. Quando envolvia o corpinho de seu filhinho em panos, lembrava-se do vestido de púrpura em que mais tarde seria escarnecido, quando o deitava no berço, imaginava como mais tarde seria estendido sobre o duro lenho da cruz. 
Estes pensamentos que espontaneamente se ofereciam a seu espírito eram um contínuo martírio para Nossa Senhora. 
Mas sabendo que a paixão de seu amado Filho era necessária para a nossa salvação, sofria com resignação e sujeitava-se prontamente aos santos desígnios de Deus. 

2. O segundo motivo de aflição para Maria foi ver os penosos trabalhos e sofrimentos que suportava seu amado Filho, a sua extrema pobreza, as calúnias, os maus tratos com que o perseguiam os seus inimigos. Tudo isto lhe causava imensa dor, mas também isto suportava com Jesus sem sentir ódio contra os inimigos e perseguidores, pois conhecia que Deus permitia estas coisas e que por isso devia sofrê-las com paciência. 

3. O terceiro motivo de aflição para Maria foi serem inúteis e improfícuos, para grande parte dos homens, os trabalhos e sofrimentos de Jesus. 
Os judeus não o queriam reconhecer por seu Salvador, ficaram obstinados, não se convertiam com a sua pregação. Sabemos do evangelho, que Jesus chorou sobre a obstinação da cidade de Jerusalém, e é certo que Maria Santíssima sentia igual dor e mágoa vendo a obstinação daquele povo ingrato, infeliz, e as lágrimas de seu adorado Filho. 
Não renovemos os sofrimentos da nossa Mãe celeste, abusando das graças que Deus nos concede, e ofendendo a Jesus por algum pecado. 

Rezemos 3 Ave-Marias para obter a graça de aproveitar os sacrifícios que Nosso Salvador fez pela nossa redenção.

Orações finais